2nd Chance - Waking up the “sleeping giants”

Rede URBACT III de Planeamento de Ação, liderada por Nápoles (Itália) e com a Porto Vivo como parceiro (2015-2018)
Promotor:
Nápoles (Itália)
Parceiro(s):
Porto Vivo (Portugal); Dubrovnik (Croácia), Maribor (Eslovénia); Lublin (Polónia); Chemnitz (Alemanha); Bruxelas (Bélgica); Caen (França); Liverpool (Reino Unido); Gijón (Espanha); Génova (Itália)
Descrição:

Em muitas cidades europeias encontram-se grandes edifícios e complexos de edifícios desocupados, os chamados "vazios", que podem ser encontrados dentro ou perto do centro da cidade. Estes locais, que perderam as suas funções iniciais e permanecem abandonados, têm frequentemente um impacto negativo no seu envolvimento urbano. A rede 2nd Chance tem como objetivo a reabilitação e a ocupação destes “gigantes adormecidos”, dando-lhes uma nova oportunidade de desenvolverem atividades sociais, económicas, ecológicas e culturais.

No caso específico da Porto Vivo, SRU, a intervenção concentra-se numa das dez Áreas de Ação Integrada (AAI) do Centro Histórico do Porto, classificado como património mundial, a AAI de Sta Clara. O abandono da população levou a que em Sta Clara não haja hoje qualquer atividade económica ou qualquer equipamento social, isto para além de uma Creche que serve uma população que não é local e que por ser acedida com dificuldades, está já em fase de deslocalização. Também a falta de residentes levou a que mais de 50% dos trinta e três edifícios existentes com cerca de 10.000 m2 de área bruta construída estejam devolutos, que 18% estejam parcialmente ocupados e a que o edificado se tenha degradado, estando mais de 60% em condição de ruína ou de mal estado de conservação. É ainda de notar que em Sta Clara existem cinco parcelas, representando cerca de 1.700 m2, pertença do Estado e do Município, sem ocupação nem tratamento adequado. Importa aqui destacar um outro problema deste território, que é encimado, como se referiu, pela Ponte Luís I, canal do metropolitano que induz ruído e vibrações incompatíveis com uma normal qualidade de vida urbana.

A estratégia definida assentou na congregação de diversas entidades públicas privadas, tendo em vista dinamizar políticas e projetos que façam acordar Sta Clara, não na condição de gigante adormecido, mas enquanto malha urbana e conjunto edificado capaz de complementaridades funcionais e de recriação de vida neste território pleno de interesse histórico e patrimonial. Daí se estruturar um Grupo de Ação Local que conta com o Município do Porto, nos seus departamentos de património, de mobilidade e via pública e de ambiente, Agência de Energia do Porto, Direção Regional de Cultura, Escola Superior de Artes, através do seu curso de arquitetura, Faculdade de Engenharia, Metro do Porto, Fundação Manuel António da Mota, Centro Social da Sé, Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas, investidores privados e um grupo de jovens técnicos e estudantes direcionados para realizar obras em regime de low cost. É o somatório das competências e da disponibilidade de colaborar de cada uma destas entidades que fará o suporte do Plano de Ação que se quer desenhar e já começar a implementar neste período que vai até maio de 2018, altura de encerramento do Projeto 2nd Chance. Com estas entidades, no seu todo, ou através de grupos mais concertados num dado domínio da ação que se pretende desenvolver, vai-se construindo o Plano de Ação Local.

O Plano desenvolve-se em torno de alguns domínios tendo como base um só objetivo que se centra na criação de condições de atratividade de pessoas e atividades para Sta Clara:

  • mobilidade, requalificação do espaço público e melhoria dos serviços e das redes de infraestruturas;
  • criação de espaços de lazer e de estadia para residentes e visitantes;
  • disponibilização de unidades residenciais para curta duração e também num quadro de work & live, assim gerando também atividade económica;
  • criação de um gabinete técnico de apoio a investidores e a proprietários no âmbito da intervenção no edificado.

Saiba mais sobre esta rede em urbact.eu

Realizações e resultados:

A apresentar em 2018

Total votes: 93
Região:
Município(s):
Data / Período:

15 Set 2015 até 3 Maio 2018

Montante global de investimento:
€52.886,40
Fontes de financiamento:
FEDER (85%)
Enquadramento programático:
URBACT III
Ponto de contacto:

Paulo Valença, Porto Vivo SRU