Programa AdaPT: Adaptar Portugal às Alterações Climáticas

O Programa AdaPT foi desenvolvido para apoiar financeiramente a atuação em matéria de “Adaptação às Alterações Climáticas” em Portugal.

O desenvolvimento deste programa foi guiado pelos termos estabelecidos no Memorando de Entendimento entre Portugal, Noruega, Islândia e Liechtenstein, no âmbito do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (MFEEE/EEA-Grants). O programa foi informado pelas necessidades e contribuições do grupo de coordenação da ENAAC, a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas.

No sentido de contribuir para os resultados esperados do programa (aumentar a capacidade para avaliar a vulnerabilidade às alterações climáticas e para aumentar a consciencialização e educação sobre as alterações climáticas), foram propostas áreas de projeto que foram submetidas a concurso, com exceção do projeto pré-definido:

- adaptação a nível local, visando a capacitação dos agentes da administração local (municípios e empresas municipais) com vista ao desenvolvimento de Estratégias Locais de Adaptação às Alterações Climáticas;

- educação e prémio às alterações climáticas, pretendendo integrar e complementar a educação ambiental em matéria de alterações climáticas, nas vertentes mitigação e adaptação, em escolas-piloto;​

- projetos setoriais, consistindo na seleção de projetos de suporte ao desenvolvimento de estudos ou implementação de medidas (piloto ou demonstração) identificadas como relevantes no âmbito dos grupos setoriais ENAAC.

Os concursos lançados neste âmbito resultaram no financiamento de oito projetos de adaptação às alterações climáticas. O operador do programa é a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) enquanto gestora do Fundo Português de Carbono (FPC), o instrumento financeiro criado pelo governo Português para apoiar a política climática. O parceiro do programa dos países doadores é o Direktoratet para Samfunnssikkerhet og Beredskap (DSB), organismo norueguês responsável pelas áreas da proteção civil e alterações climáticas.

O operador do programa é a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) enquanto gestora do Fundo Português de Carbono (FPC), o instrumento financeiro criado pelo governo Português para apoiar a política climática. O parceiro do programa dos países doadores é o Direktoratet para Samfunnssikkerhet og Beredskap (DSB), organismo norueguês responsável pelas áreas da proteção civil e alterações climáticas.

 

Data da última atualização: 18/08/2017
0

Etiquetas

Abordagens territoriais integradas Agenda Territorial Agenda urbana Alimentação e agricultura Alterações climáticas Ambiente urbano AUGI Avaliação de políticas Baixo carbono boas práticas Cidade-região Cidades inteligentes cidades prósperas cidades sustentáveis Coesão territorial Comparação Comunidades locais Conceitos Concurso Conselho da Europa consulta pública Contratação pública Demografia Desenvolvimento sustentável Desenvolvimento territorial desenvolvimento urbano integrado Desenvolvimento urbano sustentável Dinamarca Direitos humanos Diversidade territorial Economia circular Economia e emprego Economia social Educação Espaço público Espaço transfronteiriço ESPON Estratégias nacionais Evento Financiamento Fiscalidade Formação Fundos europeus Governança Habitação Imobiliário Inclusão social Indicadores Inovação Inovação social Instrumentos Investigação e conhecimento Itália Jovens marketing territorial Migrações e refugiados Mobilidade e transportes Municípios Natureza e biodiversidade Nações Unidas Observação OCDE Ordenamento do Território Paisagem Participação pública Património e cultura Pequenas e médias cidades plataforma online PNPOT Policentrismo POLIS XXI Política de coesão Política nacional Política nacional de cidades Qualidade de vida urbana Redes e parcerias urbanas regeneração urbana Rússia Serviços de interesse geral Sistemas de informação Sistema urbano Solo Transição digital Transição energética Turismo União Europeia URBACT Urbanismo Urbano-rural Áreas funcionais Áreas metropolitanas áreas urbanas