ONU: Diretrizes Internacionais para o Planeamento Urbano e Territorial

Guião orientador no apoio à tomada de decisão em matéria de desenvolvimento urbano sustentável para uma abordagem de planeamento integrado

A Organização das Nações Unidas disponibiliza pública e gratuitamente as Diretrizes Internacionais para o Planeamento Urbano e Territorial, resultado de um amplo processo participativo que teve lugar na sequência da Resolução n.º 24/3 do Conselho Geral da UN-Habitat.

Estas Diretrizes constituem-se como um guião orientador em matéria de desenvolvimento urbano sustentável, apresentando um conjunto de princípios e de recomendações que poderão nortear os agentes urbanos na tomada de decisão em todo o espectro da elaboração e revisão de políticas, planos e projetos para uma abordagem de planeamento integrado.

Concebidas para apoiar a implementação da Nova Agenda Urbana, desenvolvida no âmbito da Terceira Conferência das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável, Habitat III, dirigem-se aos agentes-chave territoriais, como governos nacionais, autoridades locais e associações da sociedade civil e profissionais, em todos os níveis de governança.  


>>> Porquê?

Pela necessidade de princípios simples e universalmente acordados para orientar os decisores no sentido do desenvolvimento urbano sustentável.

  >>> Para quê?

Para a definição de um quadro mundial para o delineamento de políticas, planos e projetos, no sentido de se alcançarem cidades e territórios mais compactos, inclusivos, integrados e conectados, que promovam o desenvolvimento urbano sustentável e se mostrem resilientes às alterações climáticas.

>>> Pilares e Princípios

Compreendem um conjunto de orientações de planeamento urbano e territorial, estruturadas em 12 princípios e desdobradas em 117 recomendações, organizados nos seguintes 4 grandes pilares ABCD:

A. Política Urbana e Governança

Princípio 1. O planeamento urbano e territorial é mais do que um instrumento técnico, é um processo participativo e integrado de tomada de decisão.

Princípio 2. O planeamento urbano e territorial deve promover a democracia local, a participação e a inclusão, a transparência e a responsabilidade

B. Planeamento Urbano e Territorial para o Desenvolvimento Sustentável

B1. Planeamento Urbano e Territorial e Desenvolvimento Social

Princípio 3. O planeamento urbano e territorial tem por objetivo principal o alcance de padrões de qualidade de vida e de trabalho adequados e equitativos.

Princípio 4. O planeamento urbano e territorial deve respeitar a herança e a diversidade culturais e reconhecer as necessidades distintas dos diversos grupos.

B2. Planeamento Urbano e Territorial e Crescimento Económico Sustentável

Princípio 5. O planeamento urbano e territorial deve ser um catalisador para o crescimento económico sustentável e inclusivo, que forneça um quadro propício a novas oportunidades económicas.

Princípio 6. O planeamento urbano e territorial deve promover uma maior conectividade em todos os níveis territoriais.

B3. Planeamento Urbano e Territorial e Ambiente

Princípio 7. O planeamento urbano e territorial deve fornecer uma estrutura espacial para salvaguardar e valorizar o ambiente natural e construído.

Princípio 8. O planeamento urbano e territorial deve contribuir para aumentar a segurança, fortalecendo a resiliência ambiental e sócio-económica, promovendo a mitigação e a adaptação às alterações climáticas.

C. Componentes de Planeamento Urbano e Territorial

Princípio 9. O planeamento urbano e territorial deve integrar diferentes dimensões espaciais, institucionais e financeiras numa variedade de escalas geográficas e temporais.

Princípio 10. O planeamento urbano e territorial deve incluir o planeamento espacial visando facilitar e articular decisões políticas baseadas em cenários contrastados e apoiar o desenvolvimento de cidades e territórios integrados.

D. Implementação e Monitorização do Planeamento Urbano e Territorial

Princípio 11. A implementação adequada de planos e projetos urbanísticos e territoriais requer uma melhor coordenação e a adoção de novas abordagens numa perspetiva de consensualização;

Princípio 12. A implementação e avaliação eficazes do planeamento urbano e territorial requerem uma monitorização e avaliação contínuas e a capacitação em todos os níveis de governança.

 

  >>> Resultados Esperados

Avaliação e aperfeiçoamento dos sistemas e processos de planeamento urbano e territorial, visando um desenvolvimento sustentável, e ainda um instrumento crítico para a implementação da Nova Agenda Urbana mundial.
 

Créditos das imagens:
ONU
Data da última atualização: 31/08/2017
0
Data / Período:

31 Dez 2015

Documento(s) e website(s) de referência:

Etiquetas

Abordagens territoriais integradas Agenda Territorial Agenda urbana Alimentação e agricultura Alterações climáticas Ambiente urbano Arte e cultura Avaliação de políticas Ações inovadoras Baixo carbono boas práticas Cidade-região Cidades inteligentes cidades sustentáveis Coesão territorial Comparação Comunidades locais Conceitos Concurso concursos Conselho da Europa Contratação pública Convenção cooperação activa cooperação nacional Demografia Desenvolvimento sustentável Desenvolvimento territorial desenvolvimento urbano integrado Desenvolvimento urbano sustentável Dinamarca Direitos humanos Diversidade territorial Economia circular Economia e emprego Economia social Educação Espaço público Espaço transfronteiriço ESPON Estratégias nacionais EUKN Evento Fiscalidade Formação Fundo de Desenvolvimento Urbano Fundos europeus Governança Habitação Identidade Imobiliário Inclusão social Indicadores Inovação Inovação social Instrumentos Investigação e conhecimento Itália JESSICA Jovens Lugar marketing territorial Migrações e refugiados Mobilidade e transportes multiculturalismo Municípios Natureza e biodiversidade Nações Unidas Observação OCDE Ocupação do solo Ordenamento do Território Paisagem Parcerias Participação pública Património Pequenas e médias cidades PNPOT Policentrismo POLIS XXI Política de coesão Política nacional Política nacional de cidades prémio Qualidade de vida urbana reabilitação urbana Redes e parcerias urbanas Redes urbanas regeneração urbana revitalização urbana RFSC Rússia Segurança e espaço público Serviços de interesse geral Sistema de gestão territorial Sistemas de informação Sistema urbano Solo Transição digital Transição energética Tratado internacional Turismo União Europeia URBACT Urbanismo Urbanização Urbano-rural Áreas funcionais Áreas metropolitanas